Publicado por: viannamar | 06/10/2010

Responsabilidade Social nas Organizações

Conceito: É quando as organizações decidem de forma voluntária, contribuir para um meio ambiente mais limpo e uma sociedade mais justa e igualitária. Optando por estes princípios a organização não mais é somente norteada pelos os interesses de seus acionistas e proprietários, mas também pelos interesses dos que prestam serviços, como os trabalhadores, os clientes, as comunidades locais, os fornecedores, os concorrentes e até mesmo o poder público constituído.

Podemos dizer que há dois focos de atuação desta responsabilidade, uma para o ambiente interno e outra para o ambiente externo. Depende do publico alvo, exemplo: trabalhador para o interno

Há fatores diversos que dá origem a responsabilidade pelo qual devemos observar em cada organização e de seus produtos. Observem que um consumidor faz a analise da compra de um produto e toma a sua decisão de adquirir através do rotulo, verificando os procedimentos que a organização tomou para elaboração produto, sob o aspecto ecológico e social.

Progressivamente, os consumidores têm feito exigências as organizações para que não haja danos ao meio ambiente, por suas atividades econômicas. Danos causados ao ambiente pelas organizações, radioatividade, derrame de produtos químicos ou óleos nos rios e mares, geram preocupações crescentes entre as populações e pelos diversos segmentos públicos de representação social. Nestes casos há grande pressão as organizações pelo cumprimento as exigências ambientais reguladas.e exigência de vigilância competente, para os casos.

Responsabilidade Social diz respeito ao cumprimento dos deveres e obrigações dos indivíduos e organizações para com toda sociedade em que vivemos e até aquela sociade pelo qual nao fazemos parte diretamente.

Existem várias outras a definições para o termo responsabilidade. Podemos citar, entre elas, as seguintes:

Alguns sociólogos entendem como sendo responsabilidade social a forma de retribuir a alguém, por algo alcançado ou permitido, modificando hábitos e costumes ou perfil do sujeito ou local que recebe o impacto.

Podemos citar um exemplo: A implantação de uma fábrica em uma determinada localidade, cujo espaço era utilizado pelos moradores como pasto para seus animais, ocasionando perda desse acesso, exigindo a criação de novas forma de alcançar o que estava posto e estabelecendo um novo cenário para o local.

Como compensar aos nativos e a natureza por essa “invasão”? Aplica-se no caso atos contínuos que possam de uma forma adequada compatibilizar a perda dos antigos moradores com meios compensatórios de forma a evitar o máximo mudanças bruscas.

Observe-se que há outras interpretações. Ex.: Uma empresa que patrocina um time de futebol ou volei que supostamente tem condições de se manter sozinho é responsabilidade social?

Sim, desde que a relevancia do fato de determinada empresa efetuar tal patrocínio tenha relevancia social e seja de amplo espectro de aplicação. Tornando mais fácil ao acesso da educação, esporte, cultura, entre outros a comunidade local envolvida.

Responsabilidae Social Corporativa: São todas as ações que beneficiam a sociedade e as organizações e são tomadas por elas, tomando por base a economia, educação, meio-ambiente, saúde, transporte, moradia, atividade locais e governo, essas ações otimizam ou criam programas sociais,trazendo benefício mútuo entre a empresa e a comunidade, melhorando a qualidade de vida dos funcionários, quanto da sua atuação da empresa e da própria população.

Responsabilidade Social Empresarial: Pode-se dizer que uma organização que tem a sua forma de gestão voltada para a ética e transparência e os seus interesses buscam minorar os impactos negativos produzidos por ela tanto no meio ambiente como na comunidade ao seu redor. Deve também buscar sempre a comunicação com os agentes envolvidos ao seu entorno.

Nas últimas décadas tem ocorrido uma mudança muito grande no ambiente em que as organizações atuam. As organizações eram visualizadas como instituições econômicas com responsabilidades referentes a resolver problemas econômicos fundamentais como maximização dos lucros e minimização dos custos e, pouco além disso. Neste contexto os aspectos sociais e políticos afetos ao ambiente dos negócios não são considerados variáveis significativas e relevantes na tomada de decisões dos administradores. Entretanto uma crescente atenção, por parte das organizações, tem se voltado para problemas que transcendem aos problemas econômicos das empresas, abrangendo um espectro muito mais amplo, que envolve preocupações de caráter político-social, como proteção ao consumidor, controle da poluição, segurança e qualidade dos seus produtos, assistência médica e social, defesa de grupos minoritários etc.

A essa visão moderna de organização em relação a seu ambiente é mais complexa, pois ela passa a ser vista como instituição sócio-política, sendo essa visão resultado de uma mudança no enfoque que está ocorrendo no pensamento da sociedade e mudando a ênfase do econômico para o social. Nesse sentido, muitas das decisões internas da organização hoje requerem considerações explícitas das influências provindas do ambiente externo, e seu contexto inclui considerações de caráter sócio-político que agora se somam às tradicionais considerações econômicas.

Nos tempos atuais a sociedade tem preocupações ecológicas, de segurança, de proteção e defesa do consumidor, de qualidade dos produtos etc, que não existiam de forma tão pronunciada nas últimas décadas, além de que a sociedade tem ficado mais atenta ao comportamento ético das empresas, bem como sobre atuação de seus administradores, o que tem resultado em novas leis e regulamentações que tentam melhorar os padrões éticos das corporações e tem provocado a mudança da postura estratégica nas organizações em face destas mudanças, dessa forma as organizações automaticamente são pressionadas a incorporar esses valores e atender a legislação como forma de manterem-se “vivas”

“A principal alteração que se verifica atualmente é a percepção das corporações sobre o papel que desempenham na sociedade. A corporação não é mais vista como uma instituição com propósitos simplesmente econômicos, voltada apenas para o desenvolvimento e venda de seus produtos e serviços. Em face de seu tamanho, recursos e impacto na sociedade, a empresa tem grande envolvimento no acompanhamento e na participação de muitas tarefas sociais, desde a limpeza das águas até o aprimoramento cultural e espera-se que ocorra um alargamento de seu envolvimento com esses conceitos ‘não econômicos’ no futuro, entre eles a proteção dos consumidores e dos recursos naturais, saúde, segurança e qualidade de vida nas comunidades em que estão localizadas e onde fazem seus negócios.”

“A empresa deve reconhecer que sua responsabilidade para com a sociedade e para com o público em geral vai muito além de suas responsabilidades com seus clientes.” (LONGENECKER, 1981, apud DONAIRE, 1999, p.20).

A responsabilidade social implica um sentido de obrigação para com a sociedade, assumindo diversas formas como proteção ambiental, projetos filantrópicos e educacionais, planejamento da comunidade, serviços sociais em geral, em conformidade com o interesse público. Nesse sentido afirmamos que uma organização só tem razão de existir se desempenhar um papel socialmente útil, e que o contrato social existente entre a sociedade e empresa puder ser refeito e revogado caso elas falhem em atender as expectativas da sociedade. Se as organizações pretendem sobreviver em longo prazo elas devem atender a essas aspirações e realizar o que a sociedade pretende, dessa forma a maximização dos lucros deve ser vista num contexto de longo prazo, pois o comprometimento com problemas sociais pode resultar num lucro menor, entretanto pode se transformar em condições mais favoráveis no futuro para a continuidade da lucratividade e sobrevivência da empresa.

Assim, as organizações devem colaborar para a solução das questões sociais, não só apenas por terem contribuído para seu surgimento mas também porque dispõe de talento gerencial, especializações técnicas e disponibilidade de recursos e de materiais que poderão ser extremamente úteis no melhor equacionamento de tais problemas.

Parte-se do pressuposto de que “não pode haver nenhuma esperança de existir de uma organização viável economicamente em uma sociedade deteriorada socialmente.” (DONAIRE, (ANDERSON, 1982, apud DONAIRE, 1999, p.18-19).

Perguntas: deverao serem respondidas e entregues ao professor

  1. Na aula anterior falamos sobre Etica nas Organizações e agora estamos falando de Responsabilidade Social nas Organizações.

Há relação entre Ética e Responsabilidade Social?

Qual a diferença entre Ética e Responsabilidade Social?

Quais são os conceitos de Ética e Responsabilidade Social?

Pode a empresa ter Responsabilidade Social sem Ética?

Pode a empresa ter Ética e não ter Responsabilidade Social?

About these ads

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.